Um quadrado

















O pavor, o medo
A angústia percorre pelos corredores
Artérias e veias
se contorcem, se dilatam,
perderam o controle da sua proporção
O passado se revolta
destruindo o futuro
O futuro dos teus planos


Não me permito sonhar
apenas tenho pesadelos
Minha tempestade me cobra
porque deixei de enfrentá-la
Fui corajoso em me tornar covarde
Escravo dos horizontes que me alinhei
Escravo dos medos que temi
Escravo dos tabus que criei


Sou poligonal
Contenho minha covardia
me escondendo na pedra de Drummond.


Henrique Rodrigues Soares - Sociedades dos Eremitas
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...