Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2013

Pátria Minha

Imagem
A minha pátria é como se não fosse, é íntima Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo É minha pátria. Por isso, no exílio Assistindo dormir meu filho Choro de saudades de minha pátria.

Se me perguntarem o que é a minha pátria direi: Não sei. De fato, não sei Como, por que e quando a minha pátria Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água Que elaboram e liquefazem a minha mágoa Em longas lágrimas amargas.

Vontade de beijar os olhos de minha pátria De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos… Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias De minha pátria, de minha pátria sem sapatos E sem meias pátria minha Tão pobrinha!

Porque te amo tanto, pátria minha, eu que não tenho Pátria, eu semente que nasci do vento Eu que não vou e não venho, eu que permaneço Em contato com a dor do tempo, eu elemento De ligação entre a ação e o pensamento Eu fio invisível no espaço de todo adeus Eu, o sem Deus!

Tenho-te no entanto em mim como um gemido De flor; tenho-te como u…

Centenário do Poetinha

Imagem
Marcus Vinicius da Cruz de Mello Moraes, conhecido como Vinicius de Moraes nasceu em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro, e por isso, comemorou em todo mês de outubro o centenário do querido poetinha como era carinhosamente chamado.  De alma carioca, botafoguense, este poeta da praia de Ipanema, maravilhoso sonetista, foi também  compositor e dramaturgo. Com apenas 16 anos entrou para a Faculdade de Direito do Catete, onde se formou em 1933, ano no qual teve seu primeiro livro publicado “O caminho para a distância”. Durante o período de formação acadêmica firmou amizades com vínculos boêmios e desde então, viveu uma vida ligada à boemia. Após alguns anos foi estudar Literatura Inglesa na Universidade morou em São Paulo, onde fez amizade com Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade e também efetivou o primeiro de seus nove casamentos. Logo após algumas atuações como jornalista, cronista e crítico de cinema, ingressou na diplomacia em 1943. Por causa da carreira…

Poeta de Bicicleta

Imagem
Pintura de Gleb Goloubetski


A poesia urge
A ideia surge
vadia na rua
sem que possa
se fazer registro


Só ardor
Sem papel
Nem gravador
Ambulante
alerta em sirene
que poema se socorre
e corre
Pedala
para não perdê-la
Palavra
Pisa fundo
Feito pizza
faz entrega
Acelera
de bicicleta
poeta
detém a tua
incontinência
literária

Alan Salgueiro