O Abismo
















Estou suando?
Estou fervendo?
Cadê a água que transpira na pele?
O rio de dúvidas continua
rompendo por terras desconhecidas


Cadê minha bravura?
Cadê minha força? minha loucura?
Ela desmancha na tarde fria


Nossos corpos não se amam
Eu te amei!
Você me coagulou, sou um doente
Meu antígeno depende do teu anticorpo
Mas você não quer me dar do teu sangue


Oh! minha dor
Eu te cheiro, eu te possuo
com toda sua tristeza
com toda sua pureza


Teu frio me corta, me morde,
me sangra, me sufoca
e me faz suar
toda esta maldade que há dentro de mim.


Henrique Rodrigues Soares - Relicário das Dores
Postar um comentário

Diz Mal do Amor que o Feriu Inesperadamente

Era o dia em que o sol escurecia Os raios por piedade ao seu Fator, Quando eu me vi submisso ao vivo ardor De teu...