Lentilhas
























O Caçador, herdeiro de muitas terras
Após um dia exaustivo de sua lida
Tendo lutado nos montes as suas guerras
Procura sôfrego algum prato de comida


Mas quem diria! Apesar de tão louvado
Forjado em ser um mestre de armadilhas
Que o caçador se deixaria ser caçado
Pelo aroma de um guisado de lentilhas


E assim, faminto se entrega à vil barganha
Enlouquecido da fome que o acompanha
Trocando por lentilhas toda a sua herdade


O Caçador, que em tantas caças foi astuto
Troca o prazer do que tem por um minuto
Pelo que duraria toda a eternidade!


Sergio Lopes
Postar um comentário

Soneto XIX

Tempo voraz, corta as garras do leão, E faze a terra devorar sua doce prole; Arranca os dent...