Saudades
















O mar se achega a terra
como quisesse consolo
como quisesse enxugar suas lágrimas
como um companheiro cheio de saudade
como quisesse consumir
com fúria
agredindo, penetrando,
irmanando pela terra.


Tua espuma num encontrar de lábios
florescidos
umedecidas glândulas salivares
O teu sal de desgosto
O teu frio de solidão
O teu amargo de saudade
Ah! Espuma branca, pacífica,
sinal de evasão
O teu sentimento indevasso.


Henrique Rodrigues Soares - Sociedade dos Eremitas
Postar um comentário

Soneto XIX

Tempo voraz, corta as garras do leão, E faze a terra devorar sua doce prole; Arranca os dent...