Relicário das Dores


















Um rosto alegre inocente de criança
cheia de sonhos e esperanças
cercada de amor e de presentes.
Ela não sabe o que tem pela frente
quando estreitarem o seu caminho
e descobrir que neste mar de rosas
também existe espinhos.


O tempo passa, ela cresce...
Os seus sonhos se dissolvem.
Seus heróis desistem de existir.
A atenção que lhe era dispensada
cada vez mais é subtraída.
Então procura um Salvador.
Então procura uma mentira
que lhe explique tudo.
Tudo que seus olhos podem ver.
Tudo que suas mãos podem pegar.
Tudo que lhe é proibido
pelas leis divinamente humanas.


Então, compreende que liberdade é um discurso.
E que todos estão presos a alguma coisa.
Descobre que fracasso não é segredo
que se guarde dentro de um quarto.
Descobre que nosso curso já foi traçado.


Henrique Rodrigues Soares - Relicário das Dores - 1996/1997
Postar um comentário

Soneto XX

Tens a face de mulher pintada pelas mãos da Natureza, Senhor e dona de minha paixão; O coração gentil de mulher, mas ave...