Estado Terminal



















Lembrança de vida imaculada
sem vícios, precisa
guardada na espera
do amor que não veio


Este meu coração submisso
esperou por teus olhos
por décadas de solidão


O mundo me deixou cair
em soluços e deserto
E me levantei como sol no inverno
apenas por obrigação


Aonde você está?
que não te vejo
Sinto agora o tempo perdido
com palavras suaves


Sinto a vaidade sagrada
que cultivei
Os casulos ranzizas
que morei


Me deixei
no cálice do esquecimento
que caiu
e se quebrou.


Henrique Rodrigues Soares - Sociedade dos Eremitas
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...