Incultas produções da mocidade


















Incultas produções da mocidade
Expondo a vossos olhos, ó leitores:
Vede-as com mágoas com piedade,
Que elas buscam piedades, e não louvores


Ponderai da Fortuna a variedade
Nos meus suspiros, lágrimas e amores;
Notai dos males seus a imensidade,
A curta duração de seus favores.


E se entre versos mil de sentimento
Encontrardes alguns, cuja aparência
Indique festival contentamento,


Crede, ó mortais, que foram com violência
Escritos pela mão do Fingimento,
Cantados pela voz da Dependência.


Bocage
Postar um comentário

O canto de um bardo

Sem sabor Mastigo o meu intimo Nestes dias escuros Sem escolhas Como um pobre arrimo Para fora dos muros...