O desencanto do crepúsculo

























Caí a tarde, com ela o findar
de um dia de rostos tristes
de um dia de corpos volúveis sem nada esperar.


Vivo como uma prostituta
vendida ao mundo por alguns trocados
e quando chega a noite
junto-me aos vermes
na sua inadimplência divina


As folhas caíram com o entardecer
A noite é teu afã
O fado da morte
voltará para ti com rosto choroso


Saudades!
Sentimento firmado na terra caroável e absurda
dos que ficam
Sou invulnerável ao amor
Sou uma carteira seca no bolso
Sou marcas e feridas
deixados pelo tempo e o mundo.


Henrique Rodrigues Soares - Romaria Lírica
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...