XVII















Dispus a madeira dos versos
Com o zelo de um carpinteiro
Em sua atribuição usual
E nos entregamos a nossas funções
E vimos que o cedro era bom
Assim como as palavras
Com o mais alto primor talhadas.
Quem dera também eu pudesse
No sétimo dia descansar meu intento
Como o bom carpinteiro
Ou talvez como abelhas
No aconchego da arquitetura final.


Fernando Campanella
Postar um comentário

Gaia Ciência

Gosto de me iludir pensando que hoje amo melhor que ontem amei. Assim desculpo o jovem afoito que, em mim, me antecedeu e...