XVII















Dispus a madeira dos versos
Com o zelo de um carpinteiro
Em sua atribuição usual
E nos entregamos a nossas funções
E vimos que o cedro era bom
Assim como as palavras
Com o mais alto primor talhadas.
Quem dera também eu pudesse
No sétimo dia descansar meu intento
Como o bom carpinteiro
Ou talvez como abelhas
No aconchego da arquitetura final.


Fernando Campanella
Postar um comentário

A instabilidade das cousas do mundo

Nasce o sol e não dura mais que um dia. Depois da luz, se segue a noite escura, Em tristes somb...