Engarrafado para momentos especiais















Amanheço,... anoiteço dias, sem teu corpo perto de mim
Não sinto teu cheiro de nicotina e bebida passada
Minha alma agoniza tua incompreensão sobre nossos destinos
A tua relutância cheia de mimos
sobre o óbvio que se esconde nas lentes da paixão


A originalidade envelhecera e anda de muletas
A sociedade empobrecera nos deixando na sarjeta
Cadê nossas flores? Cadê nossos perfumes de boutiques?
Quem fechou nossas adegas?
Precisamos de todo o álcool possível.


Henrique Rodrigues Soares - Romaria Lírica
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...