A Garça




















A garça com seu pescoço palito
Olhava a água de um negro infinito
Bem queria avistar ali alimentos
Bem queria estar vendo outros ventos


Inerte, em sua imposta impotência,
Da proa de um velho barco, põe-se a olhar o horizonte
Parece pedir ao mundo clemência
Ou talvez ela só quisesse voar


Ana Helena Ribeiro Tavares
Postar um comentário

Soneto XX

Tens a face de mulher pintada pelas mãos da Natureza, Senhor e dona de minha paixão; O coração gentil de mulher, mas ave...