A Garça




















A garça com seu pescoço palito
Olhava a água de um negro infinito
Bem queria avistar ali alimentos
Bem queria estar vendo outros ventos


Inerte, em sua imposta impotência,
Da proa de um velho barco, põe-se a olhar o horizonte
Parece pedir ao mundo clemência
Ou talvez ela só quisesse voar


Ana Helena Ribeiro Tavares
Postar um comentário

Canção amiga

Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos...