Adoradores do sexo




















Um quarto, uma cama
dois corpos unidos pela carne, pelo sangue,
pelos odores, pelos suores, pelos desejos
hormônios agitam
e dançam num frenesi infernal


seus corações ocos
empurram suas ilusões
sem país, sem endereços,
sem contratos ou considerações,
as ruas do sangue
com seu intenso calor
dominam os corpos


esses corpos ardem
pela posse do outro
esses disfarces, essas fantasias
não escondem a decepção
pois quando acordam
se sentem sujos,
vazios,
fracos
seus rostos tristes
vislumbram uma conquista momentânea
pois ninguém é de ninguém.


Henrique Rodrigues Soares - Romaria Lírica
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...