Poema de final de livro


















Na vida medito
não me acho
Na vida, maldito
me calo


Como queria
minha vida um riacho
que passa ligeiro
como quem dar passos largos
sem olhar para trás


Não me contenho
não me detenho
pois não posso me aguentar
sou demais para mim mesmo


Na vida recito
um poema sem fado
se quase sempre repito
não sou inédito no que faço


sem preço, sem recibos
sem palavras, sem recados


Não tenho mais nada para falar
Por isso vou me calar
por instantes.


Henrique Rodrigues Soares - Relicário das Dores
Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...