Canibais Urbanos
















Qual é o teu vício?
Qual é a tua necessidade?
O teu sonho fictício
sinal de insanidade


A noite te cobre
com seu silêncio negro
Calando tuas ilusões
e teu desespero
A noite sacia tua sede
e seca teus olhos esperançosos
O vento te ronda
o vento te assusta
com sua voz soprana
numa noite sem palavras


Dominado pela fumaça
da tua liberdade
Você traga em doses violentas
Ela flui por todo teu corpo
e te leva a uma porta fora da realidade
na obscuridão
do êxtase
que é desafiar o medo
O medo do quê?
Este medo que assombra teus olhos
e faz suar todo teu corpo
Ele é tua humanidade.


Henrique Rodrigues Soares - Romaria Lírica
Postar um comentário

Estão Todas as Verdades à Espera em Todas as Coisas

Estão todas as verdades à espera em todas as coisas: não apressam o próprio nascimento nem a el...