Futebol & Literatura
















"O futebol está para a literatura brasileira assim como o camelo para o Alcorão. Ninguém nega a importância de cada um dos temas nos respectivos domínios, mas se não encontramos o camelo em nenhuma das suratas (as divisões do Alcorão), também o futebol tem sido evitado por nossos poetas e prosadores. Isto é, até o presente quem se aventurou escreveu bem. Por escrever bem, entendamos mais o estilo do que o conteúdo, ainda que tal separação seja complicada, porque a forma influencia o conteúdo e vice-versa, mas escrever é fingir e no mentiroso admiramos mais o seu modo de narrar do que o narrado.
Vamos a uns poucos exemplos. Graciliano Ramos deu o pontapé inicial. Escreveu um texto lindo, triste e pessimista, prevendo que o futebol, como do cinema disseram os Irmãos Lumière, seria uma invenção sem futuro entre nós. O ofício de prever impõe alguns tributos aos profetas, sendo o mais devastador o erro puro e simples. Os fatos desmentiram nosso grande ficcionista. Décadas depois, Edilberto Coutinho arrebatou o prestigioso Prêmio Casa de Las Américas com Maracanã, adeus, em que futebol, jogadores e domínios conexos compõem os cenários dos contos. Ignácio de Loyola Brandão escreveu um premiado conto sobre o boxe, Pega ele, silêncio.Mas seu livro É gol somente saiu da gaveta para atender a um pedido especial.
Rubem Fonseca, em Feliz ano novo, o livro que a ditadura militar mais abominou porque foi obrigada a mostrar como funcionavam as proibições e a censura, apresenta-nos uma história de amor repleta de compaixão, intitulada ‘Abril, no Rio, em 1970’. Zezinho namora Nely, que não é de jogar fora, mas sonha com a ascensão social pelo futebol: ''eu tinha que comer a bola no domingo, do Madureira para a seleção, bola com Zezinho, é goool! A multidão gritava dentro de minha cabeça''. No campo, derrota anunciada é combatida assim pelo personagem: ‘vamos virar esse placar, pessoal, eu disse para os companheiros, botando a bola debaixo do braço e correndo para o meio do campo, pra dar a saída, igual o Didi na final da copa de sessenta e dois’. O vascaíno Rubem Fonseca enganou-se. gesto de Didi ocorrera na final da copa de 58, quando a Suécia fez 1 x 0 diante de atônitos brasileiros que então reagiram. Em 1998, a França fez três e ninguém reagiu, talvez porque não houvesse nenhum Didi em campo.
Carlos Drummond de Andrade dedicou vários poemas e crônicas ao futebol, provavelmente porque sua sensibilidade poética e perspicácia tenham sido fertilizadas pela atuação constante na imprensa. João Cabral de Melo Neto fez uma verdadeira ode a Ademir da Guia, enaltecendo justamente seu estilo. Também Affonso Romano de Sant´Anna escreveu vários poemas e crônicas sobre futebol e é autor de uma façanha até agora insuperável. Na Copa de 1986, terminada cada partida do Brasil, escolhia um lance e fazia sobre ele um poema às pressas, declamado no mesmo dia na televisão.
No romance, quem mais ousou foi o fluminense Ewelson Soares Pinto com A crônica do valente Parintins, em que as tramas passam pela Era Vargas, pela Segunda Guerra Mundial, mas os cenários mais fascinantes estão em peladas e jogos memoráveis. Contudo, entre esses poucos exemplos, que tiveram principalmente o mérito de evitar o alheamento a tema tão apaixonante, nenhum poeta, contista ou romancista deu ao futebol a transcendência que lhe conferiram os irmãos Mário Rodrigues e Nelson Rodrigues, embora seja mais conhecido o segundo, autor dessas frases memoráveis: ‘qualquer técnico tem a torva e atra vaidade de uma prima-dona gagá, cheia de pelancas e varizes; quem ganha e perde as partidas é a alma; a arbitragem normal e honesta confere às partidas um tédio profundo, uma mediocridade irremediável’.
O Alcorão omite o camelo, mas inclui a vaca, as formigas, a aranha, o elefante, o cavalo. Os escritores brasileiros, em sua maioria, têm evitado o futebol. Tal lacuna não empobrece nossas letras, mas nos desconcerta e sugere certas sobrenaturalidades nessa falta. Será que o vôlei, o basquete, o beisebol, o tênis e o xadrez não oferecem as mesmas assimetrias para quem escreve? Talvez seja porque o esporte, à semelhança da guerra e do amor, seja tão grandioso que é simplesmente impossível aumentá-lo. Com efeito, autor vem do latim auctor, o que aumenta, faz crescer. Na Roma Antiga, antes de designar quem escrevia, indicou os generais conquistadores."


Deonísio da Silva
Postar um comentário

Apelo

Porque não vens agora, que te quero E adias esta urgência? Prometes-me o futuro e eu desespero O futuro é o d...