Elegia para uma estrela




















Estrela rara que brilhou um dia
O teu fulgor resplandeceu em minha face
Quebrou-se os elos e os disfarces
Desencadeou o ritmo da magia


Minha estrela! Doce estrela remota
Despontara sobre meus olhos
Aquecera meus poros
com tua luz ignota


No universo, tua luz findou
E no céu o silêncio absoluto
Num pranto. Como num furto


Se foi, e se calou
Então do azul o céu tornou-se luto
E o amor tornou-se dor.


Henrique Rodrigues Soares A Natureza das Coisas
Postar um comentário

Poética

Alguma palavra, este cavalo que me vestia como um cetro, algum vômito tardio modela o verso. Certa forma ...