Como na Noite


















Como na noite a vila dorme santamente
e não há carruagem, nem armazém, nem gente,


Caminha o homem na noite com a cabeça ao vento,
o corpo agilizado de carne e sentimento,


se imagina suspenso das estrelas.Pensa
que se este céu noturno fosse uma taça imensa


e sua alma como um fruto se espremesse sobre ela
e o sumo de sua alma lavasse assim as estrelas,


a alegria do céu seria a sua alegria
e perdido entre os astros seu cantar ficaria,


e igual às águas de um repuxo imaginário
seu sangue dessedentaria os jardins lunários.


O homem que caminha grita incessantemente.
O homem que caminha deve ser um demente.


Sonâmbulo ou bêbado, deixá-lo que caminhe
tropeçando nas pedras, pisando nos hortos.


Esquecerá do céu ao cruzar uma rua
e ficará cravado como árvore no solo.


Mariposa sem asas, clavicórdio sem notas,
o espírito curvado como uma corda rota


e ouvindo nas estrelas a voz que o não nomeia,
o homem que caminha soluçará na sombra.


Pablo Neruda
Postar um comentário

Visita

O poeta esteve aqui Disse-me que viu sorrir Meus olhos em suas mãos... Como mente este poeta Com sua...