Don Quixote


















Não se alcança sozinho, remando contra a maré
Só completa o carinho se o outro também quiser
E por trás da canção, o que há
São vidas sem movimento, é aço e paz
É muito mais, é ter e dar
É muito mais


Só se for por fraqueza o sonho não corta o mal
Só lavando a sujeira, o chão se harmoniza ao pé
Se o Livro da Vida é o prazer
Aninha as mãos companheiras
E o amor se acenderá pra quem quiser
Se estenderá


Não entendo saudade de um caminho
Que há muito se acabou
Tenho as linhas da mãos inexploradas ainda
E são quantas, são tantas
Que noticia não há quem desvendou
O mais sabio dos homens
se pergunda ainda:
"De onde eu saí?"
Me ensina a sentir


Coração de ator, de bailarino, do som, do seu cantor
Tem atrás mil pessoas, mão de obra e suor
Tem mulher, tem amigo, tem menino
tem cor de multidão
tem o vento que sopra no destino um sabor
que manda seguir!
Deixa ele ir


Fecho contigo, te quero até
enquanto céu quiser
Fecho contigo
no que o amor disser

Fecho contigo, te quero qué
depois que o céu quiser
Seja utopia
o que o amor disser


Milton Nascimento/César Camargo Mariano
Postar um comentário

Soneto XIX

Tempo voraz, corta as garras do leão, E faze a terra devorar sua doce prole; Arranca os dent...