Sociedade dos Eremitas

Foto Antônio Carlos Januário

















Sou uma pétala num jardim
sou uma gota d'agua no mar
sou um grão de areia na praia
sou tão pequeno...tão frágil
e tão soberbo
que as vezes
audaciosos como somos
julgamos ao mundo e a Deus.


Nos achamos um petardo, uma bomba nuclear
nossas línguas afiadas destruindo a tudo e a todos
a língua? a ponte? ou a destruição da amizade?


E a raça humana, superior aos outros seres vivos
não consegue viver sem o ser morto, sem o menor molusco
mas mesmo assim, nos achamos poderosos, sábios, deuses
e não entendemos a nós mesmos.
Nos enganamos na ânsia de esconder o medo, a angústia
humana de viver só
pois o homem vive só...
só ele que não sabe
-Por favor, não diga para ele.


Estamos cercados de pessoas
e as pisamos como pedras que ficam ao caminho.
Fingimos não vê-las ou não vemos
pois nosso orgulho cegou nossos olhos.


Então me pergunto,
até que dia
o homem vai acreditar
que ele é social?


Henrique Rodrigues Soares - Poesia de abertura do livro Sociedade dos Eremitas 1990/1996
Postar um comentário

Marinha

Teu corpo é mar com frêmitos frescos de ondas e fosforescência de espumas. Teu corpo é profundidade equórea, fil...