Adolescência
























Calmo, fui no que pude
preso nos sonhos adolescentes
cheio de fúria e atitudes
louco, tempestuoso e displicente.



Farto de desejos... amores crônicos
jeito puro, atirado e indômito
às vezes falo muito... vezes lacônico
bicho do mato, surpreso... atônito.



Minto por não saber a verdade.
Espinhos... meu rosto deformam
hormônios... meu corpo transformam
de sincero, minha autenticidade.



Voraz e de alma gentil
sentimentos ferozes
todos consigo... algozes
de um desejo mercantil.



Henrique Rodrigues Soares - Fases da Vida - Sociedade dos Eremitas
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...