Amante Solitário

















Esta minha alma sombria e errante
que habita na noite profunda
de saudade, preenche e inunda
a tristeza de um amargo amante.


Como era tão fútil, mas flamante
um amor brutal animal no cio
podia ver neste teus olhos vazios
este teu desejo fatigante.


E na morte que estou vivendo
solitário, obscuro... perdido
e nas lágrimas que vão descendo


vejo minha vida sem sentido
e nesta caminhada vou sofrendo
as últimas de um amor rompido.


Henrique Rodrigues Soares - Sociedade dos Eremitas
Postar um comentário

O canto de um bardo

Sem sabor Mastigo o meu intimo Nestes dias escuros Sem escolhas Como um pobre arrimo Para fora dos muros...