Coitado! que em um tempo choro e rio



















Coitado! que em um tempo choro e rio;
Espero e temo, quero e aborreço;
Juntamente me alegro e entristeço;
De uma cousa confio e desconfio.


Avôo sem asas; estou cego e guio;
E no que valho mais menos mereço
Cabo e dou vozes, falo e emudeço,
Nada me contradiz, e eu aporfio.


Qu'ria, se ser pudesse, o impossível;
Qu'ria poder mudar-me, e estar quedo;
Usar de liberdade, e ser cativo;


Queria que visto fosse, e invisível;
Queria desenredar-me, e mais me enredo:
Tais os extremos em que triste vivo!


Luís Vaz Camões
Postar um comentário

Horizontes

Pai não adianta as botas Se tiraste minhas pernas Num mundo de cotas Transformo-me em percentual Meus sonhos...