Soneto V

























Umas vezes me tenho por perdido,
outras, inda me dou por bem parado;
cuidoso agora, agora descuidado,
aqui enlevado, ali aborrecido;


hoje ledo, amanhã arrependido;
já venturoso, já desventurado,
Em um tempo confiante e desconfiado,
juntamente que atento, confundido.


Deste estado igualmente morro e vivo,
temperado a alegria coa tristeza,
e sonhando melhor quando desperto.


Porque Amor, que me tem assim cativo,
é mais certo, quando é mor a incerteza,
quando é mor a certeza, é mais incerto.


Guilherme de Almeida
Postar um comentário

O impossível carinho

Escuta, eu não quero contar-te o meu desejo Quero apenas contar-te a minha ternura Ah se em troca de tanta felicidade que me ...