Versos de Ocasião 2


















Quero teu caule, tuas raízes
os cortes e as cicatrizes
Mas não me deixe sozinho
sou terra que não brota
nem flores, nem espinhos
Apenas árvores secas
que não servem de ninhos.


Pois meu amor
não deixa nada viver.


Palavras de amor
nascem no jardim
não sei se são flores
ou capim
de emails até teletrim
podem chegar.


Te olho em segredo
por detrás do vidro
como um doce derretido
melo meus dedos


Te olho com medo
de perder os meus sentidos
não ser teu querido
morrer no desejo.


Henrique Rodrigues Soares - Sociedade dos Eremitas
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...