Ouço a música do tempo
Se repartir em cantigas antigas.
As notas se prendem como imãs
Formando um manto alegórico
Que nos alça para fora de nós e acima.
O tempo volta com saudade
Abre os abraços sinfônicos
A nos girar as mesmas crianças
Pelas vias de nossas rugas.
Envelheço calmamente.
Abraço minha sabedoria.
Orquestro minhas obras
Enquanto executo as árias
Das muitas Auroras paridas.


Paula Beatriz Albuquerque
Postar um comentário

Soneto XX

Tens a face de mulher pintada pelas mãos da Natureza, Senhor e dona de minha paixão; O coração gentil de mulher, mas ave...