No instante na sala
no ordinário jarro
a flor de plástico

num ludíbrio inventa vida em sua inutilidade
nas paredes em infiltração de gritos
séculos atravessam o sonho
e a fronteira da sala

fechada nas linhas das mãos que seguram
os retratos mofados
trancados em poeira
um mausoléu de memória

No lado esquerdo da cena
o espelho num passe de mágica
come a sala e a flor
os gritos e o sonho

Nas janelas abertas no relógio
tudo gira novamente


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Canção amiga

Eu preparo uma canção em que minha mãe se reconheça, todas as mães se reconheçam, e que fale como dois olhos...