Lembranças























Porque me dói tanto.
Tu submerges...  com tanta força
e com lágrimas
desato este nó na garganta.


A febre com sua cor pálida
Meus olhos quentes feitos brasa


Doce ou amargo
profundo ou raso
Te sinto como carinho suave
Te sinto como espinho na carne


Mas preciso de ti...
Não vivo sem ti...


Henrique Rodrigues Soares

08/03/2012
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...