o fim mero ponto zero
acaso que não se vê
estrada que se sucede

dessa parte única
busco o começo
da sensação de buscar

sentir tudo anterior
a partida e voltar ao mesmo
ponto que não se vê

o zero é reinicio
se inventa no regresso
de outra vez nascer

constrói o desejo
dentro de outra coisa que morre


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Marinha

Teu corpo é mar com frêmitos frescos de ondas e fosforescência de espumas. Teu corpo é profundidade equórea, fil...