Nossos Jovens

         

       













         Os nascidos vivos e certidões de nascimento
         Os recipientes vazios sem preenchimento
         A zombaria e o mal como divertimento
         A estética biônica de anabolizantes de enchimentos


         A invalidez precoce do conhecimento
         A lucidez sombria de entendimentos
         A violência instintiva como entretenimento
         A alegria impermeável dos aborrecimentos


         Nada ficou puro em seus pensamentos
         Das exclusões formam seus ciclos de pertencimentos
         Por quantos dos nossos enxugaremos lamentos
         Em notas frias do convívio social em falecimentos.



         Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos

         Abril 2015
Postar um comentário

Idade

Mente o tempo: a idade que tenho só se mede por infinitos. Pois eu não vivo por extenso. Apenas...