seu cheiro insiste nas minhas narinas
ainda escorre mudo nas paredes

instiga e delira meus membros
articulados no ar do vazio
entrecruzado nos lábios de fumaça

penso nas palavras que deveria ter escrito
nos multiplicados lábios de seu corpo

quantos restos de ontem
unidos nesse cheiro
fecunda o espinho de sentir
a falta que em mim cresce como um tumor


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...