Sobrevivo
















Sobrevivo
na bagunça dos sentimentos
na displicência das datas
entre uma canção e outra
não somente em pensamento

Sobrevivo
na cerimônia e no seu vestido
na súbita falta de equilíbrio
na estrutura do futuro
nas estampas e nas entrelinhas

Sobrevivo na intensidade
na paixão que arde e nas tatuagens
na estrela cadente e na coragem
a cada compasso do espetáculo

No próximo verso, no caderno
Nos bocejos, nos presságios
Na intuição e nas insônias
Nas fantasias e nos devaneios

Mesmo em coma, na esperança
No presente, nas ausências
Nos livros, nos lábios
Nos lares do peito
onde sei que ainda moro
Sobrevivo


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...