A Rosa destruída













Quem deveria te proteger
Você mais temia
A bela rosa do jardim
Suas pétalas caia.


Quem te jurou amor
Com agressões te maltratara
Só espinhos restaram no corpo
Da rosa destruída


Cadê a liberdade prometida?
Tiraste do jardim para colocar
Num pequeno vaso.
Regada por suas próprias lágrimas
A rosa perdeu a alma.


Sobrevivência
Numa casa que é sua prisão
Num amor que era sua dor
Pesadas mãos que aterrorizam
Olhos que te consumiam.


Henrique Rodrigues Soares – Horas de Silêncio


Postar um comentário

Declaração de bens de família

Cadeiras e sofás, consolo e jarra, camas e bules, redes e bacias, a caixa de charão, o guard...