A realidade vive passando a esmo de mim
nela reside um cotidiano insólito
despido de minhas vontades

as portas que atravesso
sem escolha
são os acasos que se vão cumprindo e cessando nesse meu devir

o que me acontece
sem que eu consinta
são janelas que se abrem na arquitetura do tempo...

o mesmo tempo que flui nesse meu rio
onde tudo se revela e se escreve
_______________ Impermanente!



Wanda Monteiro
Postar um comentário

Visita

O poeta esteve aqui Disse-me que viu sorrir Meus olhos em suas mãos... Como mente este poeta Com sua...