Desconstrução















Olha aqui seu moço
Não sou rascunho ou esboço
Que espera assinatura de endosso
De alguém


Se cheguei à pele e osso
Não demandei algum esforço
Me jogaram nesse fosso
Sem ninguém


As paredes sem arcabouço
O estômago sem almoço
Sem nenhum dinheiro no bolso
Sem nenhum vintém


A alegria que foi sem reembolso
A sequidão de um único poço
Não tem causado mais alvoroço
Para este refém


Mas enquanto puder falar grosso
Áspero e cru como seu emboço
Se levaram o sulco, ficou o caroço
Neste vaivém.




Henrique Rodrigues Soares – Horas de Silêncio
Postar um comentário

Sonho

Qualquer coisa de obscuro permanece No centro do meu ser. Se me conheço, É até onde, por fim mal, tropeço ...