O anjo barroco no cume da paródia
onde o divino sino enferruja

olha a centopeia da cidade
a infernal comédia e seus besouros mecânicos

olha a multidão se desmontar
como Legos uns nos outros
e se confundirem nos pedaços

É sempre o mesmo cenário
que nos engana e nos consome


Carlos Orfeu
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...