O Canto do Galo


















Eu reconheço você
Que entre seus dedos
Tem um baseado apertado
Eu me vejo em você
Com tantos segredos
E sonhos abandonados


Eu entendo você
Cansado do medo
Ocioso e pesado
Eu acho você
Com ar de azedo
Horizontes calados


Eu assisto você
No drama de Pedro
De ter se negado
Eu questiono você
Que prefere o enredo
De seu quartinho fechado


Eu xingo você
Com palavras e dedos
Por ficar aí, parado!
Eu esqueço você
Com seus arremedos
E seus pecados.


Henrique Rodrigues Soares – Canibais Urbanos

Setembro 2015
Postar um comentário