Soneto Sentimental à Cidade de São Paulo


















Ó cidade tão lírica e tão fria!
Mercenária, que importa - basta! - importa
Que à noite, quando te repousas morta
Lenta e cruel te envolve uma agonia

Não te amo à luz plácida do dia
Amo-te quando a neblina te transporta
Nesse momento, amante, abres-me a porta
E eu te possuo nua e fugidia.

Sinto como a tua íris fosforeja
Entre um poema, um riso e uma cerveja
E que mal há se o lar onde se espera

Traz saudade de alguma Baviera
Se a poesia é tua, e em cada mesa
Há um pecador morrendo de beleza?


Vinicius de Moraes
Postar um comentário

Soneto XX

Tens a face de mulher pintada pelas mãos da Natureza, Senhor e dona de minha paixão; O coração gentil de mulher, mas ave...