JOGO QUASE TUDO FORA
















Jogo quase tudo fora
preciso esvaziar
as gavetas da cabeça
pra que cresçam logo
novos pensamentos
assim como plantas

Preciso me livrar das bugigangas
desertar o quarto e o guarda-roupa
como uma mudança interna
enterrar o que não serve
garimpar o que é preciso
e que o resto seja lixo

Sou gari dos meus acúmulos
dos estímulos que se empilham
das expectativas frustradas
dos projetos que vegetam
todo a obsolescência
que não angaria nada

Jogo quase tudo fora
por mais que me fira
renovar a estrutura
ou mera desculpa
pra tentar tudo de novo
pra consertar o erro
pra ver se não me ferro
na próxima tentativa

Jogo quase tudo fora
até a mim mesmo
por mais que seja duro
pra que o amanhã seja
um esboço dos resquícios do passado
ou um ensaio com alentos pro futuro

Alan Salgueiro
Postar um comentário

Horizontes

Pai não adianta as botas Se tiraste minhas pernas Num mundo de cotas Transformo-me em percentual Meus sonhos...