VIETNAMITA

















Mais um anúncio soturno
surpreende a vizinhança
O estampido é dinamite
Todo ruído, vietnamita

Guerra é o que sugere o mestre
que adestra em troca de migalhas
Em tese, pão e água se oferece
como benefício de se estar no cárcere

Talvez o ferimento maior não sangre
mas se expanda como um câncer
Domínio de guerrilha é território
e o cérebro um solo fértil

Seus soldados andam fracos
e as tropas não sustentam a mesma defesa
Já se sente cada marca de farpa no corpo
mas ainda não se rendem os da linha de frente

Mas antes que óbito vire hábito
a resistência vai cantar o mantra
Saigon não é só uma canção
Mais vale o samba do que a marcha fúnebre


Alan Salgueiro
Postar um comentário

Poética

Alguma palavra, este cavalo que me vestia como um cetro, algum vômito tardio modela o verso. Certa forma ...