Verbo Amar



















O verbo é viver a mais pura ficção engendrada pelo teu e meu sonho
Viver a verdade sonhada e ungida de nosso lírico delírio
Viver nosso irreal no desejo gravado em retinas e fluidos
Traduzido nas palavras de nossos gestos
No desejo de tuas mãos, que em minhas mãos, narram a nossa fala

Nosso amor transcrito no corpo de nosso verbo
Nosso verbo e nossa rendição
A redenção de todos os pecados do
simples existir

Nosso verbo traçado em silêncio no branco do tempo
O tempo em vigília de nós
O tempo que nos espreita e seu olhar insone sobre a premência do toque...
E do abrasar dos nossos corpos
Sobre nossos pulsos redivivos batendo no mesmo compasso

O beijo que grita o verbo de saber de nós em parto
Em porto
De saber da vida que veio à luz de nosso amar

Os afagos
Os braços em abraços sussurrando a voz de nosso prelúdio e comunhão
A tua e a minha carne nos re-Significando em conjunção
E no curso de nossas veias

A comunhão que nos ensinou o silêncio
Pois que agora
Tudo o que lemos em nós é o que calamos
O silêncio que nos ensinou a cumplicidade na eternidade do agora
Pois que não há o amanhã
O que há é o agora em nós
Não mais que o agora

Assim, sei de mim a tua imagem
Como sabes de ti a minha imagem
Assim, sonhamos a verdade de nosso verbo
Com ele, escrevemos essa história
A história que se faz poema

No interlúdio do tempo finito em nós

Há vida em nós no verbo amar.


Wanda Monteiro
Postar um comentário

Satélite

Fim de tarde. No céu plúmbeo A Lua baça Paira Muito cosmograficamente Satélite. Desmetaforizada, Desmitificada, Despojada do ...