Pântano


A minha casa está vazia
O lar se apagou
Anteontem
Como dizem os da Grécia
E os das Minas
Antigas

Ninguém ganha a poesia
À toa
É aquele sinal na testa
Com que você sai
Na rua

Se acham aquele objeto
Caro
Precisam ver o que é viver
Com essa coisa
Que não se vende

Por dentro o poeta é verde
Musgo
Dele escorrem algas
Se reparar bem
São úmidos

Não chame um para a sua casa
Verá que eles molham
Os tapetes.
.

Adriane Garcia
Postar um comentário

Canto III

O dorso que se curva elegante desenha na memória a leve dança da bailarina grácil, celebrant...