Sal eterno

















Corres para o que te alcanças
Descansar dá trabalho
Olha as nuvens em um breve desmaio sobre a luz que pousa sobre a nossa terra
O mar configura as almas
As águas aguardam sua sede
E eu não canso de beber-te
Aqui nasci e sei que teu sal é doçura, que tua dor tem cura
Que tipo de amor procuras?
Tens o meu e o dos meus, que, juntos aos seus, igualam ideais e cidades
Meu canto de intimidade entre o intervalo do nascer e do morrer, por ti tudo farei.
Pairo aqui, desconstruo qualquer sentimento para celebrar-te.


Carlinhos Brown
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...