Assistir ressurreições


A vida exige
Os enterros de antes
É terra, sim
O que nos penetra
Narinas e boca

O peso destes sete palmos
Comprime-nos as coxas
Nada de andar como ontem:

E é bizarro, mas existem mesmo
Os que se levantam
E depois de muito choro
Dançam cheios de barro.
Adriane Garcia
Postar um comentário

Fábula de Arquiteto

A arquitetura como construir portas, de abrir; ou como construir o aberto; construir, não como ilhar e prender, nem ...