Marinha




















Um bando de gaivotas
revoluteando,
insistindo...
Partindo
e logo voltando,
em voltas e cambalhotas,
sobre o mar...

A vela branca, a vibrar,
que se não sabe onde vai,
desaparece
e parece

que já não há-de voltar...
Mas de repente aparece
e vai do fundo, do mar
para o céu...

E um menino que correu
e riu
às transparências desse mar sem fim,
quando me viu,
levantou a grande aba do chapéu
e, desenhado a branco sobre o céu,
ficou, por muito tempo, a olhar p'ra mim.


Cristovam Pavia
Postar um comentário