Tange o Sino


Tange o sino, tange
Tange doloroso.
Cai como quer um alfange
No meu sonhar de gozo...

E o sino tange, tange
Lento e ao longe amoroso.

E tange e plange ao longe
Aérea melodia...
Cada som é um monge
Na sua alva fria...
Tange o sino de bronze
No escurecer que esfria.

E em mim também
A tarde do meu ser
E plange em mim, na lonjura
Do meu vago esquecer
Um sino ao longe, a agrura
De me saber ser.


Fernando Pessoa - In Poesia - 1902-1917
Postar um comentário

Coqueiral

A saudade é um batimento que rebenta assim vinte e oito vezes desde meu ombro tatuado de desastre até à rosa pendur...