Signo

















A respiração de novembro e de sua véspera
(outubro) arde-me não no cérebro
nem no ombro
mas – anel de fogo – nas ancas
e nas entranhas.
Em ti eu amo os amores todos.
Eu não podia aceitar isto
mas aceito agora. A vida
não cessa, é eterno continuar.
Por mais que se queira
o ávido sangue não será saciado.
A tarde é quem está bebendo este desejo
conivente com a violência
da patada da fera amada.
E numa noite de novembro
é que fiquei pronta para a vida
ao ver o mar refletido no teu corpo
e ao meu rosto assomar todo o desastre.


Olga Savary, em "Magma". São Paulo: Massao Ohno; Roswitha Kempf, 1982.
Postar um comentário

Estão Todas as Verdades à Espera em Todas as Coisas

Estão todas as verdades à espera em todas as coisas: não apressam o próprio nascimento nem a el...