Resposta à Vida





















Minha resposta à vida
surgiu do instante
que renasci na poesia
como sinônimo
da real liberdade


Não aspiro o rigor dos gestos,
vem do vento o pensar lento
resguardando todo acalento
dissipando dores e desencantos


Basta o brilho dos sonhos,
incertos ao meu coração
temendo que me anoiteçam
meus eus dos quais eu fujo
exilados numa canção


Conceição Bentes
Postar um comentário

Soneto XIX

Tempo voraz, corta as garras do leão, E faze a terra devorar sua doce prole; Arranca os dent...