Tempestades





















Minhas tempestades
calam sons da noite,
adormecidas nos braços
dos meus devaneios


Com a alma,
escrevo caminhos
evidenciando o tempo
que possuo,
recolhidos em meus ocasos


Quero mais um verão,
para erguer as fragilidades
do mar profundo dos teus olhos,
ritmados na música aquecida
dos teus passos que me cercam


Conceição Bentes
Postar um comentário

Visita

O poeta esteve aqui Disse-me que viu sorrir Meus olhos em suas mãos... Como mente este poeta Com sua...