Sinto-me dispersado



















Sinto-me dispersado
em areia, alga, vento.
Que ficou do passado,
se o que resta é o momento?


Uma caricia vaga,
indecisa, procura
o que a memória apaga;
e de tudo perdura


leve aragem, não mais,
docemente soprando
junto às margens de um cais
que está sempre esperando.


Alphonsus de Guimaraens Filho
Postar um comentário

Sonho

Qualquer coisa de obscuro permanece No centro do meu ser. Se me conheço, É até onde, por fim mal, tropeço ...